13 de julho de 2014

Novas turmas BEM-me-SER, um novo olhar de VIVER, por Ana Castilhos

Em agosto serão duas novas turmas e horários, em Icaraí e na Região Oceânica (Multicenter). 
São 8 encontros semanais! Em breve workshops em todo Brasil!

clique na imagem para ampliar

 A seguir as informações de cada local e ao final, o programa do curso. 
Qualquer dúvida pode entrar em contato no cel (21) - 9882.0123.

ESPAÇO CORPORAL VANIA MACIEL 
(Estrada Francisco da Cruz Nunes, 6501, sala 328, Itaipu, Multicenter - Niterói)
clique na imagem para ampliar 

  • ESTAR-ESPAÇO DE TERAPIAS E ARTE 
  • (Rua Álvares de Azevedo 66 casa na vila1-Icaraí, Niterói)
  • clique na imagem para ampliar

PROGRAMA DO CURSO:
clique na imagem para ampliar

 Informações do investimento: 

  •  Valor total: R$ 540, (até 3 cheques de R$ 180, ou 2 R$ 270,) 
  • Desconto com pagamento antecipado até o dia 01 de agosto no valor de R$ 486,

18 de maio de 2014

Vídeos, depoimentos... BEM-me-SER, um novo olhar de viver.

Uma pequena amostra do que foi o curso BEM-me-SER, um novo olhar de VIVER. Depoimentos, agradecimentos, brindes, emoção.... tudo com muito amor e vontade de quero mais...

Foram 10 encontros, às terças-feiras durante os meses de março, abril e encerramento em maio de 2014.
Local: Estar-Espaço de Terapias e Arte. Niterói, RJ.

Próximo curso serão 8 encontros!




DEPOIMENTOS por escrito:

"Gratidão pelas noites de terça-feira que passei em tão boa companhia com as pessoas que conheci no curso Bem-me Ser. Um grupo rico, onde cada uma de nós com experiências diferentes, conseguiu achar um ponto em comum para comungarmos nossas terças-feiras, a vontade de Bem nos Ser!!! A vontade de nos fazermos melhores, para com isso levar o melhor de nós a tudo e todos que nos cercam. Se esta não é uma maneira de melhorar o mundo que vivemos, é muito próximo disso!! Aprendemos (ou lembramos) a acender nossa Luz, emaná-la para cada uma de nós na sala, para todos os nossos, para toda a cidade, estado, país, planeta. Se o curso tivesse parado por aí, já teria valido... mas fomos além... descobrimo-nos deusas, rainhas, reavivamos nossa capacidade de nos honrar e abençoar como mulheres (sem em nenhum minuto termos necessidade de nos impôr frente aos homens, sem submissão e sem agressividade... apenas respeitando e honrando nosso papel como mulheres que somos). Levamos conosco pedacinhos da mãe-terra, como formas de pedras, levamos conosco o aprendizado compartilhado.
Muito obrigada Ana, por se dispôr a compartilhar a sua estrada conosco e de alguma forma deixar a nossa estrada ainda mais florida! Que possamos ainda muitas vezes cruzar nossas estradas e será sempre muito bom poder compartilhar com vocês.

Cristiana Maffazioli Guimarães
(aluna BEM-me-SER)

“Formamos Durante o curso um grupo com interesses comuns, tantos quanto nossas diferenças, Ana Castilhos conseguiu que partilhássemos a busca por algo maior apesar de nossas diferenças, de idade, estilo de vida e interesses. Aprendemos no curso como o pertencimento à natureza (mesmo que afastadas dela por nosso dia a dia corrido) tem o poder de nos trazer necessidades comuns. Queria agradecer a Ana e a todas as companheiras deste primeiro curso a oportunidade de aprender um pouco mais sobre mim mesma e também a busca por alternativas para uma vida mais harmonica, afastando os pré-conceitos e os pré-julgamentos. O sentimento que trago hoje é de gratidão a todo o nosso grupo e ao divino que descobrimos em nós. Muita luz, bjs e até o próximo encontro”

Sheila Vicente Araujo 
(aluna BEM-me-SER)

Passamos uma vida tentando criar,educar nossos filhos. Em algum momento, percebemos que eles cresceram e trilham os próprios caminhos. Fui convidada por Ana Paula, minha caçula de 4 filhos, pra participar de um curso dado por ela, BEM ME SER. O curso terminou ontem. Voltei pra casa com o coração agradecido. Reconheci nela uma mulher meiga, determinada, sabendo a que veio e dividindo seu conhecimento com sabedoria e amor.


Suely e mãe da Ana 
(aluna BEM-me-SER)

16 de maio de 2014

Excelente entrevista!

Muito de acordo com o que penso...parabéns para Sophie Deram, pela excelente entrevista!

"Vivemos hoje um terrorismo nutricional. As pessoas não sabem mais o que comer", diz Sophie Deram
      
05/05/2014 - 13h04 - Atualizado em 05/05/2014 - 13h10
Autor: Renata Lacerda | rlacerda@redegazeta.com.br

Emagrecer sem dieta, sem cortar grupos alimentares e "celebrando a comida sem medo e sem culpa". Parece sonho, mas é o que defende a nutricionista. Para Sophie Deram, dietas só engordam a longo prazo

Foto: Divulgação
Sophie é francesa e brasileira e pesquisa obesidade infantil, nutrigenômica, transtornos alimentares e neurociência do comportamento.
Sophie Deram não é uma nutricionista convencional. Para começar, ela é contra dietas. Para essa francesa e brasileira, doutora em Endocrinologia pela Faculdade de Medicina da USP, dietas restritivas só estressam o corpo e fazem o cérebro alterar o metabolismo e o apetite, fazendo você engordar ainda mais a longo prazo. Especialista em obesidade infantil e transtornos alimentares, Sophie, que também é chefe de cozinha, estuda neurociência e nutrigenômica - a ciência que mostra como os alimentos “conversam” com nossos genes. Ela defende uma forma libertadora de lidar com a comida: o “comer consciente”, que permite ter saúde e peso estável tendo prazer à mesa e comendo de tudo - até mesmo doces e fast food!

A senhora é uma nutricionista contra dietas?
Eu sou muito contra dieta (risos). E quanto mais eu estudo, mais fico contra. Uma das coisas que mais assusta e estressa o cérebro é fazer uma dieta muito restritiva. O cérebro a percebe como um grande perigo e vai desenvolver mecanismos de adaptação. Ele vai aumentar o seu apetite, diminuir seu metabolismo e deixar você mais obcecado por alimento. 

É por isso que tantos voltam a engordar?
A curto prazo, a dieta vai funcionar. Só que o cérebro vai desenvolver mecanismos de adaptação, vai ‘ligar’ os genes do apetite e do armazenamento de gordura. A ciência mostra que 90% a 95% das pessoas que fazem uma dieta muito restritiva voltam a engordar, não só tudo de novo, mas ainda mais. Pelo menos 30% de quem faz dieta engorda mais do que perdeu com ela. O interessante é que, depois de uma dieta, o apetite de uma pessoa aumenta por até um ano após ela ter voltado a comer normalmente. E o risco de desenvolver compulsão é até 18 vezes maior depois de uma dieta restritiva. Os maiores transtornos alimentares (como bulimia e anorexia) que a gente trata começaram com uma dieta.

Então, qual a solução?
Primeiro, não enxergar o peso como a causa do problema, para não trabalhar só sobre a consequência. É preciso entender porque você engordou. Pode ser emocional, por fazer dieta, por comer de maneira não muito saudável, pode ser um medicamento que você está tomando ou uma fase de vida – a menopausa e pré-menopausa, por exemplo, são momentos muito sensíveis para a mulher. 

O que é o “terrorismo nutricional” que a senhora afirma que vivemos?
Hoje estamos focando no alimento de um jeito muito simplificado: ou o alimento é bom ou é ruim. Esse engorda e aquele emagrece. Não existe isso. Nenhum alimento por si só vai fazer engordar ou emagrecer. Quando você só foca nas calorias e nos alimentos, você esquece de escutar o seu corpo. Você não responde mais à fome ou à saciedade. Você só responde com terrorismo ao que você está comendo. Comer vira uma coisa estressante. E uma culpa. 

Dá para acabar com essa culpa?
Uma das coisas que eu trabalho muito no consultório é recuperar a sensação de fome e saciedade e o comer sem culpa. Nosso corpo é totalmente habituado a todo tipo de alimento. Claro que algumas pessoas têm problemas ou alergias, e isso tem que ser tratado. Mas colocar uma população inteira sem açúcar, sem glúten ou sem lactose é uma loucura! O terrorismo é esse: cada vez mais as pessoas não sabem o que comer. Acham que controlando o que elas estão comendo vão emagrecer. Na verdade, estão cada vez mais estressadas e com maior risco de ganho de peso.

Mas há dietas restritivas famosas que cortam glúten ou proteína e dão certo. Também não são recomendadas?
Para uma pessoa que tem doença celíaca, eu vou recomendar uma dieta sem glúten. Mas para uma pessoa que está bem, só porque ela quer perder peso, isso afeta muito a sua relação com os alimentos. Vira um inferno. Tirar o glúten é uma coisa muito difícil, muito estressante. Claro que a pessoa vai perder peso, e é por isso que está na moda. Só que, infelizmente, isso só aumenta aquele terrorismo nutricional. Em geral, cortar um grupo alimentar não é adequado. Somos onívoros, ou seja, animais que comem de tudo. Quando você corta um grupo alimentar, você assusta o seu corpo. Ele vai desenvolver adaptações que podem fazer você engodar mais a longo prazo.

Por que é tão importante acabar com essa culpa ao comer?
Quando você está com muita culpa, sofrendo muito terrorismo nutricional, você pode engordar, porque está estressado, em desequilíbrio diante da alimentação. Isso pode afetar o cérebro e “ligar” genes que vão fazer você engordar mais. Mas é bom lembrar que tem obesos que comem superbem. É bom não fazer discriminação. Pode ser um estresse na vida que aciona um mecanismo de proteção. A gordura era uma proteção contra a falta de alimentos e o nosso cérebro ainda pensa assim. Se você estressa muito o seu corpo, se fica sem comer, se corta carboidrato, ele reage aumentando a produção de gordura. Quando você está comendo com prazer, sem culpa, você come menos porque vai ficar satisfeito e não engole a comida. E também vai ter uma digestão diferente do que se comer com rapidez, com culpa, com estresse. 

A senhora é contra os produtos light e diet?
Não sou contra. O que eu acho importante é mostrar que eles não são necessariamente interessantes para emagrecer. Para fazer produtos light e diet, a indústria fez uma troca. Tiraram parte da gordura, o que deixa ele sem gosto, e colocaram carboidratos. Açúcar, amido modificado, xarope de açúcar, todos esses carboidratos, dão bastante prazer no cérebro. A gordura tem 9 calorias por grama, mas o açúcar só 4. Então, o produto fica com menos calorias, mas não necessariamente mais interessante do ponto de vista da saciedade. E também pode ter um efeito diferente no metabolismo.

Então seria melhor comer algo que você goste em porções menores?
Na dúvida, o é melhor pegar o alimento mais ‘in natura’ possível. Não estou dizendo orgânico, estou dizendo mais natural. Em vez de comer o iogurte light ou diet de morando, por exemplo, a opção que eu acho mais saudável seria o iogurte natural junto com o morango e um pouquinho de açúcar. É um alimento mais verdadeiro.

Mas como, então, emagrecer? 
Primeiro, é preciso ter excesso de peso e nem todo mundo tem. Pessoas que estão com peso saudável e que querem emagrecer mais vão assustar o corpo. Essa preocupação de emagrecer é muito exagerada hoje. As pessoas estão muito focadas nisso. É “bom dia, você emagreceu” ou “você engordou”. Antes se falava do tempo! Uma pena. Mas uma pessoa que tem sobrepeso precisa saber que não há uma solução só. As dietas hoje dão a mesma solução para todo mundo. Isso não dá certo. Cada um tem um metabolismo, uma história, uma razão diferente para o sobrepeso. Mas uma dica interessante é essa: comer mais alimentos verdadeiros. 

Ou seja, menos industrializado.
Isso, menos industrializados. E não estou dizendo que sou contra alimentos industrializados. Sou engenheira agrônoma, trabalhei em indústria, e acho que eles ajudam muito no dia a dia. Mas, quando puder, cozinhe, prepare o prato em casa, coma alimentos que vêm da natureza e tente evitar essa preocupação de dieta. Isso está fazendo com que ninguém coma junto. Sei de pessoas que levam marmita para eventos sociais. A gente está cada vez mais com esse terrorismo da nutrição. Se você volta a comer alimentos verdadeiros, para os quais a gente foi adaptado, você não deveria ter essa preocupação de calorias, de engordar. O que você deveria ter é uma consciência maior de como está se sentindo. Estou com fome? Vou comer. Estou sem fome? Vou parar de comer! Alguém que está respondendo bem a essas perguntas chega a um peso saudável. É o que em inglês se chama “mindful eating”, o comer consciente. É um bom jeito de emagrecer de maneira suave e para a vida inteira. 

O comportamento alimentar é tão importante quanto o que se come?
O “mindful eating” é totalmente isso. Pesquisas com crianças mostram que se você cuidar mais do ambiente, sem falar do que ela está comendo, ela vai ter menos risco de engordar. Não é só o que você come. É também como você está comendo. Ter um comportamento adequado à fome é comer de maneira consciente. E se, ainda, você consegue comer com prazer e sem culpa, você será supersaudável. E comer com prazer não é comer com gula. É diferente. Não é liberar tudo. É comer devagar, o alimento que você gosta, saboreando e sem estresse. 

Comer fora é mais difícil...
Na rua, a tentação é grande. Então também temos que comer devagar para perceber quando estamos satisfeitos. E quando isso acontecer antes do fim do prato, não precisa comer a porção inteira. Escute o corpo. Não é só porque está pagando um preço fixo, numa churrascaria, que você tem que se entupir de comida. Aproveite o momento com os amigos, converse, sinta o alimento. Não existe nenhum alimento ruim. O que existe são alimentos mais interessantes do que outros.

Hoje, muita gente se diz viciada em doces e fast food. Como elas podem comer de forma mais saudável?
Primeiro, se conscientizar de que esse vício é real. Esses alimentos focam no nosso cérebro e podem viciar mesmo. Mas é possível mudar. Não fazendo dieta restritiva. O que eu aconselho é incluir, cada vez mais, alimentos verdadeiros. Eu nunca retiro alimentos de ninguém porque isso é muito frustrante. O que trabalho é uma atitude positiva. Pode comer de tudo, mas inclua mais legumes, mais arroz, mais feijão. Tome mais água, evite o excesso de bebidas doces, tanto refrigerantes quanto sucos. E aí a pessoa, sozinha, consegue se livrar desse vício. Tenho pacientes adolescentes que saíram da obesidade sem deixar de ir ao Mc Donald’s com os amigos. Isso faz parte da vida do adolescente. É um erro tirar isso dele. Mas quando você inclui os alimentos verdadeiros, automaticamente, você vai comer menos dos outros.

13 de fevereiro de 2014

Ana Castilhos apresenta:

EM BREVE, NOVAS TURMAS!!


Público Alvo: Pessoas interessadas na busca do autoconhecimento, desenvolvimento pessoal e elevação da autoestima.

Introdução:
Nem mesmo com toda tecnologia, globalização, praticidades do mundo moderno, deixamos de vivenciar cotidianamente emoções conhecidas que muitas vezes nos aprisionam: raiva, medo, tristeza, etc. Tais emoções muitas vezes escapam do controle da nossa mente e ao contrário de nos proteger ou impulsionar, podem trazer uma série de desconfortos de ordem familiar, profissional, emocional, física, espiritual, gerando adoecimentos, atitudes e pensamentos inadequados. Então, como superar essas limitações? Com a Busca da Maturidade Emocional através do Conhecimento e Despertar do Divino Interior.

Essa busca é contínua e se torna ainda mais enriquecedora quando compartilhada. Acredito que somos ao mesmo tempo alunos e mestres da vida, e é a partir desse pensamento que convido você a fazer parte desses encontros e experienciar o bem-me-ser, um novo olhar de viver.

Objetivo geral: Compartilhar vivências e conhecimento adquiridos na vida. Romper padrões negativos e gerar abundância e prosperidade.

Objetivo específico: Despertar a força interior, potencializar autoestima, fortalecer a fé e resgatar o poder feminino.


Onde e quando?

  • ·       ESTAR-ESPAÇO TERAPIAS E ARTE

Rua Alvares de Azevedo 66 casa 01, Icaraí, Niterói-RJ

Terças-feiras às 19h – início: 11 de março de 2014

·       ·       Contato: ana.castilhos@gmail.com -  celular (vivo): 21 – 99882.0123

Ministrante: Ana Castilhos é artista e designer, pesquisadora do bem viver e terapeuta da arte de cuidar. 


Depoimentos:

“Encontrei em Ana Castilhos, respostas e acolhimento a inúmeras perguntas e inquietações de muito tempo e tb atuais. Aprendi com ela a acalmar e exercitar meus pensamentos, minha respiração, a cuidar da minha alimentação. Vivi experiências em meu tratamento com ela de chegar com muitas, mas muitas dores mesmo na coluna e  nas articulações e sair quase dançando, levitando e dormir sem dor e remédios. Várias mudanças de hábitos e comportamentos, foram por mim conquistados através  dos ensinamentos transmitidos por ela, que para mim é um exemplo de conquista e transformação e que humilde e generosamente transmite com amor o que aprende e com alegria sincera desperta em nos a força divina, a fé, a gratidão e a vontade de evoluir.” Elizabeth Lima.  – 53 anos


“Aprendi com Ana, o poder que a alimentação tem sobre nosso corpo; sou adolescente e vamos combinar que hoje em dia nós adolescentes, não temos uma alimentação boa, mas aqui em casa não é assim.  De um tempo para cá, tenho comido tudo que ela come, por exemplo, o arroz integral com variações de ingredientes que fazem bem, e venho me sentindo mais leve e saudável. Aprendi que o nosso pensamento e nossa fé são mais fortes do que pensamos, temos um poder interior muito forte e quando conseguimos controlar ficamos em pura harmonia com nós mesmos. Uma das coisas mais importantes que ela me ensinou foi à meditação e respiração. Nada melhor do que meditar e respirar para ficar mais focado, mais tranquilo e acreditar em você. Os mantras que Ana ensina são ótimos, eu uso “Longe do medo, perto do amor”, esse mantra tem uma força e um poder inacreditável, mas para ele funcionar você precisa acreditar e ter fé.”  Ana Cecília Alegria– 18 anos

7 de janeiro de 2014

Volto Logo!

"Desculpe o transtorno, mas estou trabalhando para a minha melhoria."

Em construção de novos projetos do amado 2014. Passar-indo feliz.

ilustra Ana Castilhos

3 de janeiro de 2014

Oceano de flores!!

Gente, imagina isso... um oceano de flores amarelas!! Pois é, em diferentes épocas do ano, as grandes fazendas na região de Luoping, na China, deslumbram os olhares com esse cenário incrível.
Flor de canola, é a semente responsável por esse cenário incrível!! ����




2 de janeiro de 2014

Curtindo...

Curtindo o Gold e aproveitando o restinho de férias. 2014 promete muita arte, trabalho e parcerias!!! 

31 de dezembro de 2013

Feliz 2014!!!

Só posso agradecer o ano de 2013 e desejar em 2014 MARAVILHOSO pra todos nós!! Obrigada por estarmos juntos aqui no nosso Mukifuchic e posso adiantar que muitas novidades bacanas estão a caminho!! Tudo de melhor sempre!
Namastê ����

25 de dezembro de 2013

Gratidão ao Mestre

Renascimento, transformação, solidariedade, compaixão, união, família, doação, respeito, auto conhecimento, paz, amor, integração, energia, silêncio, natureza, vida, alegria, consciência, sabedoria, luz...

Gratidão.

desconheço o autor dessa imagem linda.

24 de dezembro de 2013

Feliz Nataaaal!

Queridos, somos como uma chama acesa que ilumina todos que estão a nossa volta! Ame e deixe-se amar! Que a solidariedade, a compaixão e a alegria de viver, esteja presente hoje e sempre! 

Feliz Natal!!


Holiday Workshop from Lumineux on Vimeo.

11 de dezembro de 2013

Um pedido:

A água do planeta é uma só. Nosso corpo é na maioria composto por água. É o nosso dever e obrigação cuidarmos desse bem precioso. Mentalize em suas orações, meditações, a nossa água saudável, límpida, fluida, cristalina...  não polua com lixo físico e emocional. Pratique o Amor consigo mesmo, acredite em você, entre em contato com seu Divino... sua luz tem poderes de cura inimagináveis. O alcance está em nossa União. Luz! 

Meditando na cozinha

Adoro esse livro e recomendo para presentear!!

Meditando na cozinha

O QUENTE, O FRIO, O MORNO, O FRESCO

Valha-nos Deus, que calor. Quarenta
graus à sombra e o ar-condicionado pifou.
Ventilador, só se for para fazer vento
quente. E suor seco. Do chuveiro
a água sai morna. O chão de ladrilho
também está morno, mas quase fresco:
deitar ali e ficar sem pensar nada. Jazer.
Aqui jaz uma pessoa morta de calor.

Também, quem mandou comer? Devia ter ficado
em jejum. Pão e água. Não, pão esquenta. Só água.
Zero calorias! Viver de água e chi, o sopro vital.
Mergulhar no vazio feito um monge zen, respirar bem
devagar e ir reduzindo a frequência dos batimentos
cardíacos. A circulação de sangue mais lenta faz o corpo
funcionar menos e isso o desaquece. A pele, suada e fresca,
passa a refrescar também o interior do corpo.
Ah, frescor! Distante. Meio-dia, panela no fogo, barriga
vazia, cadê a vontade de comer? Só se for salada. Mmm,
maravilhosa salada, cheia de alfaces várias, raditi, chicória,
rúcula, agrião, catalona, tudo misturado numa festa com
cenoura, beterraba, rabanete, fatias de manga, laranja e
mais pepino e cebolinha, que não podem faltar no calor.

O pepino é um sucesso. Fácil de preparar, refresca logo o
estômago e os pulmões, o que melhora muito as condições
da pele; facilita a circulação de líquidos no corpo, acelera a
formação de urina, acaba com os inchaços dolorosos e
quentes da garganta. Velho, amarelado, fervido em sopa,
alivia a tosse seca do outono. Aplicado externamente, suco
de pepino fresco faz secar espinhas e trata queimaduras.
É o príncipe do verão, digamos. Com ou sem casca,
conforme o estômago do freguês.

Já a cebolinha verde é um curinga – regula
a temperatura interna, impedindo tanto o excesso
de calor quanto o de frio, e combina demais com tudo –
sanduíche, macarrão, salada, carnes, sopa... Também fica
maravilhosa quando é aferventada em pouca água durante
três a cinco minutos; escorra, ponha na tábua de vegetais,
espere esfriar um pouquinho, esprema para tirar o resto
da água e corte na diagonal em pedaços de 3 cm.
Tempere com uns pingos de molho de soja, nada mais.
Um maço dá para duas pessoas. Acompanha bem qualquer
macarrão, fica divina entre duas fatias de pão integral,
completa cogumelos de todos os tipos. E ainda faz hora
extra salvando crianças e adultos que engolem coisas
pontudas e perfurantes como cacos de vidro, chaves,
brincos: basta aferventar a cebolinha e ir engolindo inteira,
sem cortar, que ela se enrola em torno do objeto e o conduz
assim protegido até a saída.

Algas marinhas, aveia, banana, beldroega, beringela, nabo,
broto de bambu, cana-de-açúcar, caqui, caranguejo, coelho,
pato, clara de ovo, espinafre, limão, laranja, tangerina,
maçã, manga, melancia, melão, ovo de pata, painço,
papaia, pera, tofu, tomate, trigo, alimentos frescos
e mornos, crus ou ligeiramente cozidos: tudo isso
reduz o calor.

Abóbora, açúcar, alho, alho-poró, anchova, truta, canela,
cravo, carneiro, codorna, cebola, cenoura, frango, leite de
coco, malte, mexilhão, pêssego, rim, alimentos e bebidas
quentes e gelados, doces, sorvetes, refrigerantes, chocolate,
café, cerveja, frituras, coisas de forno ou feitas na pressão:
tudo isso aumenta o calor.

A sabedoria oriental diz que não se trata
o quente com o frio, mas com o fresco; não se
trata o frio com o quente, mas com o morno.
Nós, que não sabemos nada disso, bebemos gelados no
verão e morremos de calor – porque o corpo tem que
continuar quentinho por dentro para poder funcionar,
e trata de acelerar as turbinas para aquecer o gélido
conteúdo. Coisas da natureza, contrariando a tecnologia,
a propaganda, os impulsos de consumo, a tola
e superficial felicidade do século 21.

Mas, com tanto calor, pensar quem há de?
:::::::::::::::::::::
Crônica do livro Meditando na Cozinha, de Sonia Hirsch


"Sonia Hirsch escreve como quem cozinha, cozinha como quem escreve: temperando, mexendo, misturando, num ritmo e estilo muito pessoais que resultam numa das sopas de letrinhas mais saborosas da literatura brasileira de não-ficção.
Mas não é só escrever e cozinhar que essa paulista-carioca sabe. Desde os anos 80, Sonia mantém uma produção regular de livros sobre alimentação e saúde, que ela mesma escreve e publica. Sua editora, a CorreCotia, ostenta um catálogo de 13 títulos, com mais de 250 mil exemplares vendidos, entre eles os best-sellers "Deixa sair" e "Sem açúcar, com afeto", ambos já na 13ª edição.
O segredo do sucesso, claro, está na receita. E a receita de Sonia Hirsch é justo não ter receita. Ela faz cada livro artesanalmente, como quem cria um novo prato: experimentando o texto, testando as cores, provando os papéis, acertando o ponto. Suas obras estimulam a gente a se cuidar melhor, e ainda ter prazer no processo.
Meditando na cozinha traz dois anos de sua produção mais recente, mas com direito a um molhinho extra: 21 páginas de receitas e comentários. Escritas especialmente para complementar as crônicas originais, elas trazem dicas que vão desde como preparar um jantar saudável a dois até como usar nabo ralado para tirar manchas.
E a meditação, como é que entra nessa alquimia? Ah, isso a própria autora pode explicar melhor. Quer provar? Abra o livro, e comece a se deliciar com a Sonia você também."
Gabriela Dias, editora

9 de dezembro de 2013

Saiba mais sobre o Panettone brasileiro

As informações chegam de diversas maneiras, cabe a você decidir o que fazer com elas. O conhecimento é uma das melhores "chaves" para uma vida mais plena. Conscientize-se!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...